Testemunho Ana Frazão

Olá! O meu nome é Ana Frazão, tenho 24 anos, terminei o Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas em 2018 e encontro-me neste momento enquanto Marketing Trainee na GSK. Ao longo dos meus 5 anos de faculdade, a maior parte deles foram partilhados com a LisbonPH e gostava de vos contar um bocadinho dessa (tão querida para mim) história.

Esta foi para mim uma viagem atribulada (num muito bom sentido). Assisti ao primeiro evento da LisbonPH para a comunidade estudantil e todo o envolvimento do evento despertou a minha curiosidade. No início do meu 2º ano arrisquei, candidatei-me e ingressei no já extinto Departamento Comercial e Logística. Confesso que não é fácil descrever todas as oportunidades que me deram e nas quais eu embarquei. Entre trabalhar com várias equipas (fosse dentro do departamento, para um projeto…), contactar com profissionais de saúde ou de outras áreas, gerir objetivos e atingir resultados, o crescimento foi exponencial. E tal só aconteceu porque na LisbonPH há uma oportunidade de te desafiares a ti mesmo, às tuas capacidades e, sobretudo, uma oportunidade de aprendizagem. Esta viagem não terminou por aqui, passado um ano decidi candidatar-me a Diretora do meu departamento. Ambicioso? Sim, bastante, considerando que estava no 3º ano, mas essa foi mais uma das valências que ganhei. Trabalhar com uma ambição, a ambição de poder levar a LisbonPH muito mais longe.

Parar por aqui? Nem pensar! Passado um ano enquanto Diretora de departamento tive a oportunidade de fazer parte da JADE Portugal – Federação de Júnior Empresas de Portugal, enquanto International Manager. Mesmo assim, senti que não era capaz de deixar a minha LisbonPH e ajudei enquanto Presidente do Conselho Fiscal. Qual foi o meu maior desafio? Honestamente, considerei-o um desafio mas hoje vejo-o como uma das maiores oportunidades que esta Júnior Empresa me deu: poder apresentar a candidatura a um prémio a nível europeu, em Bruxelas, em frente a 300 Júnior Empresários e cerca de 30 representantes de empresas e entidades europeias foi um passo que eu jamais pensei ser capaz de dar. Mas fui, porque a LisbonPH mo permitiu e me deu as competências para que tal fosse possível.

Achas que és capaz? Eu acho que sim! Não deixes ficar a candidatura no computador!

Ana Frazão

Qual o contributo do cargo de Diretora do Departamento Comercial e Logística na LisbonPH para o atual cargo na ANF na área de logística e vendas de produtos?

Ser Alumni da LisbonPH é uma responsabilidade, mas sobretudo uma oportunidade de continuar ligada ao desenvolvimento do profissional do futuro empreendedor, criativo e multidisciplinar.

O futuro e a inovação são a grande ponte de ligação entre a LisbonPH e as Farmácias Portuguesas, onde atualmente integro uma equipa multidisciplinar, para lá das ciências da Saúde, cujo foco é a operacionalização da Gestão de Categorias no contexto Farmácia. Se este conceito de loja está bem implementado noutras realidades comerciais, na Farmácia, enquanto loja, a conciliação dos racionais de consumo com as necessidades de Saúde é uma nova realidade.

A que necessidades responde a Farmácia? Que necessidades o shopper quer satisfazer? Quem é o shopper da Farmácia? Romper o racional da doença e compreender que quem entra na Farmácia – o shopper – pode ser impactado por ferramentas de marketing que o levam a satisfazer necessidades de Saúde, que nem ele sabe ter, é valorizar a experiência de compra e rentabilizar o processo de venda. Como? Otimizando o fluxo de circulação em loja, garantindo uma experiência imergente e completa; comunicar no ponto de venda numa linguagem simples e visual de forma a facilitar a identificação das respostas de Saúde possíveis de encontrar na Farmácia; rentabilizar a exposição de produtos associando necessidades primárias a secundárias de forma a aumentar e melhorar a resposta enquanto se aumenta o valor do cesto. A experiência Farmácia é assim renovada e adaptada a uma sociedade que procura respostas simples, rápidas e completas às suas necessidades.

Esta abordagem é singular e personalizada à realidade de cada Farmácia, permitindo a cada uma desenvolver-se no sentido de otimizar a resposta dada às necessidades do seu shopper.

Assim, depois da experiência associativa que me propôs desenvolver o Farmacêutico do futuro, empreendedor, criativo e multidisciplinar, hoje, a proposta é fazer da Farmácia o seu habitat natural.

Cátia Henriques

O Subdiagnóstico de Doenças Infeciosas, Farmácias e Saúde Pública

Num dia normal, as farmácias atendem 250 mil pessoas. Nenhuma outra rede contacta, todos os dias, com tanta gente de todas as idades e condições de saúde: doentes, cuidadores, pessoas saudáveis. Isto representa uma grande oportunidade para a Saúde Pública.

Com mais de três farmacêuticos por farmácia, a rede de farmácias é uma das cinco mais qualificadas do mundo. E é também a mais bem distribuída pelo território. Continua a haver farmácias onde já fechou tudo, da extensão do centro de saúde à linha de caminho-de-ferro. Em muitas terras onde já não chegam outros profissionais de saúde ainda existe uma farmácia de portas abertas. Isto torna a rede de farmácias indispensável à Saúde Pública.

No caso do VIH-SIDA, isso ficou evidente nos anos 90. O Programa Troca de Seringas (PTS) evitou 7.283 infeções por cada 10.000 utilizadores de drogas injetáveis nos primeiros dez anos em que funcionou na rede de farmácias, quando a doença era motivo de pânico generalizado. O PTS salvou milhares de vidas e ajudou muitos jovens a superar a toxicodependência. Por outro lado, poupou ao Estado entre 400 milhões e 2.000 milhões de euros em tratamentos evitáveis, de acordo com uma auditoria realizada pela consultora Exigo para a Comissão Nacional de Luta Contra a Sida.

Graças à investigação científica, na qual também trabalham muitos farmacêuticos portugueses, a SIDA já não é uma doença mortal. A morbilidade e a mortalidade dos portadores de VIH aproximam-se, cada vez mais, das registadas na população em geral. No entanto, persiste um problema sério de subdiagnóstico da doença. A Direção-Geral da Saúde estima que cerca de 10 por cento das pessoas seropositivas desconheçam a sua condição, de acordo com o relatório de 2018 do Programa Nacional para a Infeção VIH-SIDA. «Continuamos, hoje, a diagnosticar pessoas cujos resultados das análises indicam que podem ter sido infetadas há dez anos», alertou o infeciologista Kamal Mansinho na Revista Farmácia Portuguesa.

Tudo indica que o subdiagnóstico seja um problema ainda maior no caso das hepatites. O estudo “O Impacto da Hepatite C em Portugal”, publicado em 2014 no “Jornal Português de Gastrenterologia”, refere que apenas 30% dos doentes se encontram atualmente diagnosticados. A Universidade Católica estima que existam 89.200 portugueses infetados.

As hepatites, se não forem diagnosticadas atempadamente, podem obrigar ao transplante do fígado e até causar a morte. O custo da última geração de medicamentos é tão elevado que implicou uma negociação dura e um acordo de confidencialidade quanto ao preço entre o Estado e o laboratório produtor. A maior ironia é que, detetada a tempo, a infeção é relativamente simples de curar, a custos controlados.

Portugal subscreveu o objetivo da ONUSIDA de quebrar o ciclo de transmissões e erradicar as epidemias de VIH/SIDA e de hepatites virais até 2030. Isso não será possível se não resolvermos o colossal problema do subdiagnóstico destas doenças. Basta pensarmos em quantas pessoas podem ser involuntariamente infetadas por um único portador da doença que desconheça esse facto.

A implementação nas farmácias de testes rápidos de rastreio ao VIH, VHB e VHC é indispensável ao cumprimento do objetivo assumido pelo Estado português de erradicar estas doenças. Para desenvolver políticas de Saúde Pública, prevenção da doença e promoção de estilos de vida saudáveis, Portugal precisa de uma maior integração das farmácias com o Serviço Nacional de Saúde.

Dr. Paulo Duarte, Presidente da Direção da Associação Nacional das Farmácias (ANF)

Instagram

Instagram has returned invalid data.