A importância do Movimento Júnior

Em 1967, um conjunto de estudantes em França sentiu a necessidade de complementar o seu processo de educação tradicional. O seu objetivo foi o seguinte: conciliar os estudos académicos com uma experiência que não só contribuísse para o seu desenvolvimento profissional, mas também criasse valor para a sociedade e para o mundo empresarial. Deste desejo resultou a criação da primeira Júnior Empresa, uma iniciativa que hoje é considerada como uma prática de sucesso, pelos milhares de estudantes universitários que carregam o estandarte de Júnior Empresário e pelos milhares de clientes que ano após ano recorrem às Júnior Empresas para obter serviços de qualidade. Em 2020, apesar de ter passado 50 anos após a criação da primeira Júnior Empresa, a missão permanece a mesma: através de organizações direcionadas para a prestação de serviços, desenvolver os estudantes universitários e torná-los líderes do futuro, mais capacitados e contextualizados com a realidade empresarial.

Pela sua vertente empreendedora e inovadora, Portugal encontra-se no rumo desejado para tornar o conceito de Júnior Empresa o complemento ideal do sistema de educação. Aproveitando o talento universitário existente, as Júnior Empresas têm consolidado a sua posição como um dos principais veículos dos estudantes universitários para a criação de impacto na sociedade. Contando neste momento com 17 Júnior Empresas e mais de 700 Júnior Empresários, Portugal ambiciona ter uma Júnior Empresa em cada instituição de ensino universitário, devidamente estruturada e com a garantia que os serviços prestados, apresentam a qualidade indicada. 

O reflexo da qualidade atual do Movimento Júnior português assenta na constante predisposição de cada Júnior Empresa em tornar-se a melhor organização possível para os seus membros e clientes. Seja na construção de um processo de recrutamento adequado às necessidades dos estudantes, seja na criação de uma estratégia comercial que vá de encontro ao mercado, ou seja nos projetos externos criados e ajustados diretamente às necessidades dos clientes, são inúmeras as prioridades de trabalho para estas organizações. Nesse sentido, a forte ligação à sociedade e ao mundo empresarial obriga as Júnior Empresas a terem estruturas adaptadas à mudança e inovação, de forma a responderem no timing exato às movimentações do mercado.

No panorama internacional, Portugal também se assume como um exemplo de boas práticas, pelo papel que tem no fortalecimento deste conceito e pelo impacto que as suas ações têm causado no crescimento desta rede empreendedora. Recentemente, quatro Júnior Empresas portuguesas foram vencedoras dos prémios europeus Júnior Empresa mais promissora, mais sustentável, mais empreendedora e com o projeto mais impactante. Este selo de acreditação comprova a crescente competitividade das Júnior Empresas portuguesas e a diversidade existente nas suas práticas de gestão.

Embora o conceito já apresente mais de 50 anos, continuará a ser uma atividade particularmente jovem, porque vai estar sempre direcionada às gerações de estudantes universitários. Para o Movimento Júnior português, podemos acreditar que o futuro permanecerá risonho. Milhares de estudantes portugueses vão continuar a ter a oportunidade de experienciar esta aventura e potenciar o seu desenvolvimento universitário. 

Alexandre Serra, Presidente da Junior Enterprises Portugal

A EVITA e o seu Papel na Prevenção do Cancro Hereditário

A EVITA é uma associação que apoia famílias afetadas por síndromes de cancro hereditário. A sua história reflete bem a realidade dos portadores de mutação genética e a importância de serem identificados atempadamente.

Em 2007, no hospital onde trabalhava a presidente da EVITA (Tamara Milagre), uma jovem grávida tinha sido submetida de urgência a uma mastectomia radical pois tinha um tumor muito agressivo na mama. Era a Tamara quem tomava conta da operada no recobro. Ao ouvir o batimento cardíaco do feto e olhando para esta jovem doente metastática, Tamara questionou-se, chocada, acerca do que tinha corrido mal, levando a uma demora no diagnóstico fatal. Seguindo as consultas da doente grávida, percebeu que duas das suas tias paternas tinham falecido com o mesmo cancro por volta dos 40 anos, e que a causa podia estar numa mutação genética, herdada do pai, num gene responsável por nos proteger do cancro da mama.

Só então, é que a própria Tamara relacionou os vários casos de cancro da mama e ovário na sua linhagem paterna com uma possível mutação genética na família, o que a levou a realizar um aconselhamento genético. A suspeita teve a sua confirmação: uma mutação no gene BRCA1 que colocou imediatamente uma “espada por cima da sua cabeça”: a qualquer momento podia começar a desenvolver um cancro em idade precoce. E agora?

Dois anos mais tarde, a sua doente, e entretanto amiga, faleceu, deixando as duas filhas menores órfãs e um marido viúvo destroçado. Tamara prometeu que esta situação não voltaria a acontecer, nem às filhas da sua amiga, nem às suas filhas, nem a ninguém. Juntou as suas forças e criou o primeiro “ombro amigo” para os portadores de mutação genética, apostando sempre na prevenção do cancro – a associação EVITA.

As síndromes de cancro hereditário envolvem múltiplos órgãos e estão ligadas aos cancros mais frequentes e mais letais. Geralmente, a doença ocorre em idade precoce, durante o pico de produtividade e na idade reprodutiva e, por vezes, mesmo durante a gravidez. Consequentemente, torna-se o cancro mais caro. Se o portador de mutação não tem conhecimento da sua predisposição genética, os primeiros sintomas podem ser desvalorizados pela própria pessoa ou mesmo pelos Profissionais de Saúde, levando ao diagnóstico tardio com mau prognóstico. A história familiar de cancro e a idade precoce dos diagnosticados são fatores cruciais na identificação de uma síndrome de cancro hereditário. No entanto, com medidas adequadas, é o cancro com maior potencial de prevenção e diagnóstico precoce. Os portadores de mutação identificados podem escolher uma vigilância precoce e frequente, para além da quimioprevenção e de cirurgias profiláticas.

A EVITA identifica as necessidades não correspondidas mais importantes no tratamento e na prevenção de cancro hereditário: a falta de dados, a sub-identificação de portadores de mutação (nem sempre há uma história familiar evidente), os tempos de espera excessivos para testes genéticos e cirurgias preventivas, a necessidade de testes em painel, a falta de informação sobre a oncofertilidade e o diagnóstico genético pré-implantação (DGPI) e a falta de recursos. A associação EVITA trabalha arduamente para melhorar essas lacunas, aumentando o valor da saúde em Portugal e na Europa. Salvamos vidas!

Em breve teremos mais novidades: a Plataforma EVITA, o primeiro “ombro amigo” virtual, multifuncional e, nos tempos que correm, indispensável no apoio permanente aos portadores de mutação. Fiquem atentos!

O Futuro Promissor da Cosmética

A indústria de cosméticos surgiu no início do século XX como resposta à necessidade das mulheres de comprarem produtos prontos a utilizar, pois muitas já trabalhavam fora de casa. Desde então, nunca mais parou de evoluir. Serão poucas as indústrias que se adaptam tão rápida e eficazmente aos hábitos de consumo dos seus clientes. 

A indústria de cosméticos é camaleónica: acompanha, mas também cria tendências a um ritmo avassalador e, muitas vezes até, contraditório.

Para as marcas, algumas com histórias centenárias, o desafio é enorme. A adaptação diária exige uma capacidade notável de reinterpretação da missão, da visão e dos valores, sem nunca perder a coerência da mensagem. 

Numa sociedade onde ninguém quer envelhecer, onde o culto da imagem anda de mãos dadas com o ideal de sucesso, esta indústria com um pé na saúde física e mental, e outro na moda, será eternamente «moderna». 

A dinâmica dos mercados modifica-se continuamente e as exigências dos consumidores alteram-se e ampliam-se na mesma velocidade. O mercado global continua a ser beneficiado por uma série de tendências macroeconómicas, que incluem um crescimento mundial do poder de consumo pelo consumidor. Também estão presentes fatores sociodemográficos, tais como o aumento da esperança média de vida, o maior interesse pela aparência, as mudanças climáticas e no estilo de vida que criam oportunidades para novos nichos de mercado.

Os consumidores têm atualmente expetativas crescentes e mais sofisticadas. Não há apenas o foco na eficácia e segurança do produto, mas também nos ingredientes, nos materiais de conceção das embalagens, na «política» ecológica da empresa, no estilo de comunicação que adota. Os consumidores exigem uma beleza inclusiva, a igualdade de género, a atitude responsável e coerente por parte desta indústria, vista muitas vezes como fútil, mas absolutamente essencial. 

Nesta ciência vivem muitas outras. A aplicabilidade da inteligência artificial aos cosméticos é já uma realidade. São tendência os cuidados minimalistas sem componentes supérfluos, a cosmética sustentável e a personalização do produto. Para o sucesso desta evolução, muito contribuem as autoridades que regulam cada vez mais e melhor, permitindo assim a perceção pelo consumidor de que é mais seguro usar os produtos. 

A ciência cosmética pretende trazer saúde aos seres humanos criando e mantendo a beleza. A Organização Mundial da Saúde define saúde como «um estado dinâmico de bem-estar físico, mental, espiritual e social e não meramente a ausência de doença ou enfermidade». Esta ciência ajuda as pessoas a viver a sua vida saudável na sociedade através dos cosméticos que permitem revitalizar as gerações mais velhas, e tem até o potencial de vincular os idosos com a sociedade. Não se dedica apenas aos cosméticos em si, mas envolve também uma relação e uma análise da pele em que são aplicados e dos humanos que os aplicam.  

A cosmética tem um futuro muito promissor! Essa é uma certeza, para o bem de todos.

15  / 05 / 2020

Joana Nobre

Instagram

Instagram has returned invalid data.