Get to Know the Alumni – Bruna Santos

Olá a todos!

O meu nome é Bruna Santos, tenho 24 anos e venho partilhar convosco um pouco daquele que foi o meu percurso, tanto académico como profissional. Desde cedo soube que queria ingressar num curso da área da saúde. Isso era basicamente tudo o que sabia, pois não tinha nenhuma ideia de qual seria o meu curso de eleição. De entre as 6 opções, todas diferentes, Ciências Farmacêuticas foi o feliz contemplado.

No segundo ano, senti necessidade de me envolver num projeto que me permitisse fazer algo diferente, fora do percurso normal dos anos de faculdade, e foi assim que me candidatei à LisbonPH, ao Departamento Financeiro, onde fiquei por quase 3 anos – primeiro enquanto membro e, por fim, enquanto diretora de uma pequena, mas grande equipa.

Porquê o Departamento Financeiro? Sempre senti que era uma área sobre a qual não sabia praticamente nada e vi uma grande oportunidade de aprender e desenvolver as minhas capacidades neste âmbito. Durante o meu percurso na Júnior Empresa, fui ainda Secretária da Mesa da Assembleia Geral. Para além de todas as competências na área de gestão financeira e contabilística, a LisbonPH ensinou-me a trabalhar em equipa, a desenvolver projetos, a enfrentar as demais adversidades, a procurar soluções, a sair da minha zona de conforto e a desafiar-me diariamente. Permitiu-me ainda criar laços de amizade com pessoas que talvez noutro contexto não tivesse oportunidade de conhecer e, por isso, só posso estar grata.

Assim que terminei o curso, iniciei o meu percurso profissional, dando continuidade ao meu gosto pelo associativismo, enquanto Secretária-Técnica da MiGRA Portugal, a Associação Portuguesa de Doentes com Enxaqueca e Cefaleias, onde me encontro até ao momento. O meu trabalho consiste em ajudar, prestar esclarecimentos e encaminhar os doentes em questões que sejam relacionadas com a sua saúde e com a terapêutica, criar conteúdos científicos e informativos na área da enxaqueca e cefaleias, colaborar em projetos de investigação e desenvolver e efetuar a gestão de projetos de apoio ao doente. Comunico também com sociedades médicas, ordens profissionais, com a indústria farmacêutica e com outras associações de doentes. Tem sido uma experiência incrível!

Por fim, posso apenas aconselhar a que se envolvam em algo mais do que o curso em si proporciona. Conhecer outras realidades e trabalhar em conjunto com diferentes pessoas permite que se desenvolvam enquanto pessoas e enquanto profissionais. Não deixem passar essa oportunidade!

Um beijinho,

Bruna Santos